Você sabe o que significa Eleeze?

Essa é uma história que tem início quatro anos e meio atrás, quando era primavera no hemisfério norte do planeta. A estudante brasileira Ana Stier, com 20 anos, fazia intercâmbio em Münster, na Alemanha. Seu pai, Roberto, fazia uma viagem de turismo em San Francisco, EUA, e procurando aproveitar ao máximo a cidade californiana, alugou uma bicicleta elétrica. Nesse passeio, ele percorreu vários pontos turísticos, inclusive atravessando a Golden Gate Bridge.

Maravilhado com a bicicleta elétrica, Roberto ligou à Ana no mesmo dia para contar a novidade.

– “Ana, quero comprar uma destas, como consigo?”

– “Pai, você não vai acreditar, Münster é a capital alemã das bicicletas!”

Nesta sincronia de fatos, Roberto se interessou tanto pela bicicleta elétrica que viu aí uma oportunidade de negócio para construir com suas filhas no Brasil. Começou a pesquisar sobre bicicletas elétricas, enquanto na Alemanha a Ana descobria o mercado europeu e tudo o que tinha de melhor por lá. Leeze, em alemão, significa magrela, e foi assim que tudo começou!

Inspirada pelo alto nível de exigência dos alemães com tecnologia e qualidade, a proposta da Eleeze já surgiu com uma premissa ambiciosa: escolher os melhores componentes para garantir que a bicicleta proporcione uma experiência incrível aos usuários. Essa definição norteou as diversas escolhas da marca desde então, por exemplo a opção por baterias de lítio, que não contêm metais pesados e têm uma durabilidade maior.

Mas nada acontece do dia para a noite. Os desafios eram muitos e nem tudo são flores. No começo era difícil trabalhar entre pai e filha, pois os dois queriam fazer tudo juntos. Com o tempo, perceberam que cada um tinha seus pontos fortes e que era melhor separar as funções. Assim, o Roberto assumiu a posição de diretor geral, sendo responsável por gestão e finanças, enquanto a Ana se focou no marketing e no comercial. No início, o desenvolvimento dos produtos foi feito com a ajuda de parceiros em diversos países, inclusive na própria Alemanha.

Tínhamos em nossas mãos maravilhosas bicicletas elétricas, dotadas da melhor tecnologia disponível. Só que há 4 anos a maioria das pessoas nem sabia o que era uma bicicleta elétrica e imaginava aquelas motonetas barulhentas e fumacentas. Ainda por cima, a bicicleta elétrica não tinha sido regulamentada no Brasil, sendo que cada cidade fazia suas próprias regras.

Em 2012, no Rio de Janeiro, aconteceu um fato que mudou todo o destino da bicicleta elétrica no Brasil. Um ciclista andava com sua ebike na orla da praia, quando percebeu que a polícia havia estacionado sobre a ciclovia para fazer uma blitz da Lei Seca. Indignado com o desrespeito aos ciclistas, ele parou para filmar. Naquela época a bicicleta elétrica podia ser interpretada como um ciclomotor e ele não tinha a habilitação requerida. Eis que foi multado e teve sua bike apreendida. A questão suscitou uma grande discussão em redes sociais, televisão e jornais.

Esses fatos levaram a um final feliz em 2013, quando o Conselho Nacional de Trânsito publica um decreto regulamentando a bicicleta elétrica, e a equiparando a uma bicicleta comum. Ou seja, não há mais necessidade de carteira de habilitação e é permitido pedalar em ciclovias.

Transformação, a melhor parte dessa história!

Um dos maiores motivos para a Eleeze ter sido criada foi a vontade de provocar uma transformação, tanto na cidade quanto na vida de algumas pessoas. Desde 2012 a Eleeze organizou diversos passeios em grupo, muitas vezes proporcionando a alguém sua primeira pedalada com bike elétrica. Além disso, criamos um simulador virtual patenteado, apresentamos as novidades em quiosques de dois shoppings e montamos uma estação de locação de bikes elétricas que funciona em um eco-container, no Parque Barigui, em Curitiba.

No primeiro contato, quase sempre testemunhamos o “efeito sorriso”: a pessoa sobe na bike, começa a pedalar, e quando sente a experiência acontecer ela sorri, livre e espontaneamente. Esse sorriso transmite uma volta à infância, ele é quase o mesmo sorriso da primeira vez que andamos de bicicleta. Ele é a primeira mudança.

Depois que alguém leva uma Eleeze para casa, se depara com um conjunto de sentimentos e possibilidades que pode transformar completamente a rotina, disposição e o estilo de vida! Por exemplo, muitas vezes, quando estamos cansados ou com preguiça, não dá vontade de sair de bicicleta. Mas essa questão se torna bem mais fácil de superar com uma bike elétrica que nos facilita a optar cada vez mais por esse meio de transporte.

Primeiro, existe o empoderamento: se sentir apoiado pela tecnologia, não ter medo de subida ou do cansaço, se sentir livre. Em seguida, com a consciência de que está fazendo algo bom para si e para o planeta, essa pessoa passa a deixar o carro e percebe que é mais divertido, mais barato e muitas vezes até mais rápido sair de bike. Isso tudo faz com que sua rotina mude e aos poucos aumenta o sentimento de realização, por estar fazendo algo bom para sua saúde e por interagir com sua cidade de um jeito mais harmonioso, inclusive pertencendo agora a uma grande comunidade de pessoas que andam de bicicleta e se identificam com isso.

A Eleeze entregou mais de 1.000 bikes em seus quatro primeiros anos e gostamos de ter uma certeza: que todos os nossos clientes estejam 100% satisfeitos. Nosso pós-vendas tem excelência, com garantia de 1 ano, assistência técnica e todas as peças de reposição. Temos inclusive o Programa de Satisfação Garantida, em que permitimos ao cliente testar sua bike por 2 dias e devolver sem nenhum custo (nem mesmo do frete) se ele não estiver satisfeito.

Novidades

Em 2015 iniciamos o desenvolvimento de novos modelos, criados em parceria com um designer dinamarquês que é premiado internacionalmente nessa área. Nos próximos meses faremos o lançamento dessas bikes, uma que é ideal para a cidade e outra que é uma Mountain Bike, para encarar qualquer desafio. Ambas foram pensadas em todos os detalhes de design e funcionalidade, são bicicletas bonitas, leves e tecnológicas. Fiquem ligados!

Matérias relacionadas